Vindima Ervideira 2019

É nas vindimas que se inicia o primeiro capítulo da nossa história. Desde a vinha até ao vinho há um longo caminho a percorrer, o nosso já vai a meio.

Em conversa com Enólogo conseguimos perceber qual o ponto de situação entre brancos e tintos e o que podemos esperar da Colheita de 2019.

 

 

Catarina – Nelson bom dia, O que podemos esperar das Vindimas 2019?

Nelson – Bom dia Catarina,

Estamos em plena Vindima, podemos dizer que estamos praticamente a meio, e até agora bastante satisfeitos com o resultado da matéria prima/uva que recebemos até ao dia de hoje….vai ser uma grande colheita!

Catarina – O que podemos destacar nos Brancos?

Nelson – Nos brancos destaco essencialmente a acidez natural, muito elevada que nos proporciona mostos muito frescos. Não tendo existido temperaturas demasiado altas, a maturação decorreu lentamente sem que a degradação dos ácidos fosse muito acentuada. A sensação de frescura é evidente e bastante apreciada pela maioria dos consumidores. Existem também ph’s corretissímos , e com uma concentração mediana de açúcar que nos irá ajudar a elaborar vinhos elegantes e muito equilibrados.

Catarina – O mesmo acontece com as variedades brancas “emprestadas”, isto é, as variedades que não são típicas do Alentejo?

Nelson – As variedades “emprestadas” como é o caso do Alvarinho, Gouveio, Viognier e o Viosinho já estão na Adega e com excelente qualidade. Estas castas são como os perfumes, que nos ajudam a tornar os nosso vinhos únicos, elegantes e inconfundíveis. Estamos neste momento a trabalhar o Arinto e a aguardar a maturação fenólica no Antão Vaz.

Catarina – E no caso dos Tintos?

Nelson – Estamos agora a começar as variedades tintas, mas posso destacar já o nível de cor das uvas (antocianas). O que estamos a receber na adega são bagos muito pequenos o que nos ajuda a obter um vinho com uma cor muito forte e com uma personalidade única.

Catarina – Quais foram as primeiras variedades de tinto a chegar à Adega?

Nelson – Neste momento já temos Aragonez, Alfrocheiro e Tinta Caiada na Adega, todas elas muito promissoras e com perfumes fantásticos e equilibrados, estamos também a iniciar a Touriga Nacional. Falta-nos o Alicante Bouschet, o Syrah e o Cabernet Sauvignon, e a Trincadeira.

Catarina – Nelson, para terminar, o que podemos dizer aos nossos amigos e consumidores sobre os próximos Vinhos Ervideira?

Nelson – Até agora , as uvas que recebemos na Adega deixam-nos muito satisfeitos , pelo equilíbrio e boa maturação fenólica que apresentam. Cabe-nos agora interpretar, e dar seguimento à excelente qualidade das nossas castas , e a partir disso desenhar Vinhos únicos e de grande qualidade!

 

Outros artigos em destaque

Lançamento 10ª Edição do Invisível

No passado dia 1 de Abril assinalou-se o 10º aniversário do Lançamento do Vinho Invisível. Sempre no “Dia Das Mentiras”, desde 2010 é lançado o inovador vinho que se tornou um marco na história da Ervideira.

Ler mais
×

Cart